African Energy Chamber
  • Conteúdo multimédia

  • Imagens (2)
    • A Câmara de Petróleo e Gás de Moçambique condena atentados terroristas em Palma (1)
    • A Câmara de Petróleo e Gás de Moçambique condena atentados terroristas em Palma (2)
  • Todos (2)
Fonte: African Energy Chamber |

A Câmara de Petróleo e Gás de Moçambique condena atentados terroristas em Palma

Os nossos pensamentos e orações estão com as famílias dos falecidos, feridos e deslocados

Apelamos à comunidade internacional para que apoie o governo de Moçambique nos seus esforços para lidar com o terrorismo em Cabo Delgado

PALMA, Moçambique, 31 de março 2021/APO Group/ --

A Câmara Moçambicana do Petróleo e Gás condena os atentados terroristas de Palma no dia 25 de Março nos mais veementes termos e expressa as suas sinceras condolências a todas as vítimas dos atentados. Os nossos pensamentos e orações estão com as famílias dos falecidos, feridos e deslocados.

O terrorismo é um flagelo e nunca podemos deixar que prevaleça. A Câmara gostaria, portanto, de expressar o seu total apoio às Forças Armadas de Defesa de Moçambique, sob a liderança de S.E. Presidente Filipe Nyusi, que respondeu rapidamente para conter os ataques e salvar vidas e bens. Estamos confiantes de que o governo acabará por garantir uma solução duradoura para os problemas em Cabo Delgado e proporcionará um ambiente propício para a realização de investimentos multi-bilionários em Moçambique.

Estamos empenhados em trabalhar com o governo, as empresas de energia e a sociedade civil para garantir que tais atos não possam perturbar a estabilidade de Moçambique e a execução de importantes projetos de energia que são tão fundamentais para o crescimento económico do nosso país e o avanço da prosperidade global”, disse Florival Mucave, CEO da Câmara de Petróleo e Gás de Moçambique.

A insurgência, que dura há três anos na província de Cabo Delgado, já matou mais de 2.600 pessoas e deslocou cerca de 670.000, segundo a ONU. Estes ataques são especialmente direcionados para afectar negativamente os investimentos em projetos de petróleo e gás em Moçambique e aterrorizar a população local. O ataque a Palma tinha como objetivo específico minar o projeto pioneiro de US$23 mil milhões denominado Mozambique LNG e liderado pela Total.

Como o maior Investimento Estrangeiro Direto no continente africano, o projeto Mozambique LNG posiciona Moçambique como o terceiro maior exportador de gás globalmente até 2045. Prevê-se que duplique o PIB de Moçambique até 2035, sublinhando o impacto transformador deste projeto no país, nos seus cidadãos e nos estados vizinhos. O projecto irá fundamentalmente reformular o perfil de Moçambique elevando-o de um dos países mais pobres do mundo para, possivelmente, um país de rendimento médio.

Apelamos à comunidade internacional para que apoie o governo de Moçambique nos seus esforços para lidar com o terrorismo em Cabo Delgado. O terrorismo é um problema global e, portanto, Moçambique não pode ser deixado sozinho nesta luta.

A câmara continua a defender fortemente os desenvolvimentos de gás e projetos associados em Moçambique como um motor chave de oportunidade económica. O desenvolvimento económico é a única forma de promover o desenvolvimento sustentável, erradicar a pobreza, reduzir o desemprego entre a população jovem de Moçambique e construir capacidade local competente no país.

A Câmara de Petróleo e Gás de Moçambique compromete-se a trabalhar em estreita colaboração com o Governo de Moçambique, investidores estrangeiros e actores locais para capacitar os empresários moçambicanos e posicioná-los para aproveitar as inúmeras oportunidades que Moçambique oferece. Vamos trabalhar sem descanso para cumprir as expectativas de milhões de moçambicanos, garantindo o fornecimento do primeiro gás do projecto Moçambique LNG até 2024.

Distribuído pela APO Group em nome de African Energy Chamber.