Fonte: A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) Moçambique |

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apoia 12 mil famílias afectadas pelo Ciclone Kenneth e inundações recentes em Cabo Delgado

O apoio incide sobre os distritos de Macomia, Mocímboa da Praia, Mecufi, Metuge e Quissanga

A FAO deu início à distribuição de sementes no distrito de Metuge, um dos mais afectados pelas inundações desde Dezembro último e onde cerca de 3000 famílias foram afectadas

MAPUTO, Moçambique, 9 de janeiro 2020/APO Group/ --

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), em parceria com a Direcção Provincial de Agricultura, está a distribuir insumos a agrícolas para mais de 12 mil famílias afectadas pelo Ciclone Kenneth e pelas recentes  inundações na Província de Cabo Delgado.

O apoio incide sobre os distritos de Macomia, Mocímboa da Praia, Mecufi, Metuge e Quissanga, onde famílias recebem, cada, um kit com sementes de milho, feijão e hortícolas, incluíndo instrumentos de trabalho como catanas e enxadas para que possam recuperar a produção perdida.

Os cinco distritos foram selecionados com base nas análises feitas pelo Integrated Food Security Phase Classification (IPC) sobre segurança alimentar e nutrição de Julho de 2019 de nível 3 (considerada alta), que constatou que estes apresentavam alta prevalência e / ou risco de desnutrição aguda num período que varia entre Outubro de 2019 e Fevereiro de 2020. 

Com a chuva que se faz sentir na região, com destaque para o norte da província, os níveis dos rios subiram consideravelmente, danificando perto de 4 mil hectares de culturas diversas, segundo dados do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

A FAO deu início à distribuição de sementes no distrito de Metuge, um dos mais afectados pelas inundações desde Dezembro último e onde cerca de 3000 famílias foram afectadas. 

O Director Provincial de Agricultura de Cabo Delgado, Mário Haggai, afirmou que logo após o ciclone Kenneth, o Governo desenhou vários programas de subsistência para que os produtores voltem aos campos e retomem os programas de produção.

“Os nossos parceiros como a FAO e o Reino Unido responderam positivamente em poder financiar o processo do restabelecimento dos meios de subsistência para a população que perdeu tudo por causa do impacto das tempestades”, disse  Mário Haggai.

Este apoio é parte de um projecto da FAO em resposta à emergência, financiado pelo Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido(DFID) em mais de dois milhões de dólares, com o objectivo de restaurar os meios de vida da população que vive com base na agricultura e reduzir a situação de desnutrição aguda dos agregados familiares vulneráveis nesta província.

Segundo o Coordenador de Emergência da FAO, Marco Falcone, a organização busca no momento mais financiamento para poder abranger  mais pessoas que estão a ser afectadas pelas chuvas nesta província.

“Conseguimos até agora um financiamento de 2 milhões de dólares pelo DFID mas queremos chegar a mais distritos para que os produtores retomem a produção e possam garantir a sua segurança alimentar e de suas famílias”, afirmou.

Além da componente de produção agrícola, também estão em curso intervenções na educação nutricional e comunicação para a mudança de comportamento social nos mesmos distritos, visando os grupos vulneráveis à nutrição, que incluem mulheres grávidas e lactantes, mães cuidadoras de crianças com menos de cinco anos de idade e mulheres com crianças desnutridas. 

“Estamos também a incluir alguns pacotes para incentivar a produção e consumo de aves (galinhas) para que as pessoas possam diversificar a alimentação e que não estejam em risco de desnutrição”, concluiu o coordenador da FAO.

As actividades de educação nutricional serão integradas à distribuição directa de sementes de hortícolas, regadores e criação de parcelas de demonstração em grupo para a promoção de hortas caseiras, o que deverá beneficiar até 6.000 mães nos cinco distritos.

Distribuído pela APO Group em nome de A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) Moçambique.