African Energy Chamber
  • Conteúdo multimédia

  • Imagens (2)
    • Devemos apoiar Moçambique a combater as forças terroristas, proteger vidas e restaurar a esperança (Por NJ Ayuk) - 1
    • Devemos apoiar Moçambique a combater as forças terroristas, proteger vidas e restaurar a esperança (Por NJ Ayuk) - 2
  • Todos (2)
Fonte: African Energy Chamber |

Devemos apoiar Moçambique a combater as forças terroristas, proteger vidas e restaurar a esperança (Por NJ Ayuk)

Agora mais do que nunca, temos de encontrar formas de combater o terrorismo em Cabo Delgado

Agora, mais do que nunca, o país precisa do nosso apoio, das nossas vozes e do nosso envolvimento

JOHANNESBURG, África do Sul, 31 de março 2021/APO Group/ --

Por NJ Ayuk, Presidente Executivo, Câmara Africana de Energia (www.EnergyChamber.org)

Podes matar-me com teu ódio, mas ainda assim, como o ar, eu me levanto”. Maya Angelou estava tão certa. Estas palavras profundas soam verdadeiras hoje, quando olhamos para os recentes ataques covardes de terroristas contra moçambicanos indefesos. Há muito em jogo em Moçambique, onde a milícia separatista conhecida como Haul Sunnah Wa-Jamo (ASWJ) intensificou a sua campanha para ocupar território em Cabo Delgado, a província mais a norte do país.

A 24 de março, mais de 100 combatentes do ASWJ atacaram Palma, uma cidade em Cabo Delgado, por três lados. As Forças de Defesa e Segurança de Moçambique, conhecidas localmente como SDS, avançaram rapidamente e montaram um contra-ataque no dia seguinte, mas não foram capazes de retomar o controlo imediatamente.

Para além disso, eles não chegaram a tempo de evitar a violência e a morte dos residentes de Palma. No momento em que escrevo este artigo, o número exato de vítimas ainda é desconhecido, mas fontes fidedignas relataram que há cadáveres nas ruas da cidade - e que alguns dos cadáveres foram decapitados.

Conflito de alto risco

O governo de Moçambique tem fortes incentivos para reagir contra a ASWJ, que tem realizado ataques mortais em Cabo Delgado desde 2017.

Do ponto de vista diplomático e político, a liderança moçambicana faz questão de preservar a integridade territorial do país e anular a ameaça à autoridade do governo central. (Esta é uma questão sensível, uma vez que muitos residentes de Cabo Delgado se sentem marginalizados e ignorados pelo governo, mesmo que não vejam o ASWJ como uma alternativa viável.)

Do ponto de vista geopolítico, pretende prevalecer contra um grupo que está a servir de braço local do Estado Islâmico, também conhecido como Daesh. Não está interessado em deixar o país tornar-se um paraíso para o terrorismo. E sim, isto é terrorismo - não luta, não agitação, mas terror. Às vezes, nós, do setor da energia, temos de chamá-lo pelo que realmente é, não importa o quão cuidadosos queiramos ser.

Os líderes moçambicanos compreendem muito bem que lançar um esforço de contra-insurgência em Cabo Delgado contra estes extremistas não irá apenas derrotar os minúsculos e desesperados bandos de terroristas armados. De facto, se a experiência no resto do mundo servir de guia, esta acção poderia transformar esses zeros em heróis. Isso iria encorajá-los e fortalecer a sua determinação. E dar-lhes a capacidade de se destacarem no seu papel favorito, o de mártir perseguido. Temos de conquistá-los com cenouras e paus e transformar as comunidades. É uma estratégia inteligente. O governo quer fazer isto bem feito e quer resultados sem pôr em causa a união do país. Devíamos apoiá-lo.

Do ponto de vista económico, pretende-se eliminar os obstáculos ao desenvolvimento dos enormes campos de gás natural que se encontram ao largo da costa de Cabo Delgado. Essas reservas de gás já atraíram mais de US50 mil milhões em compromissos de investimento de consórcios liderados por grandes empresas internacionais de petróleo (IOCs), como a francesa Total, a italiana Eni e a americana ExxonMobil. A Total e os seus parceiros já dedicaram muito tempo, esforço e dinheiro ao estabelecimento de uma base terrestre e de uma planta de gás natural liquefeito (GNL) na Península de Afungi.

Este complexo, que fica a apenas alguns quilómetros de Palma, irá apoiar o trabalho de desenvolvimento de upstream no bloco offshore conhecido como Área 1. No entanto, ainda não está completo. Se não puder ser concluído, a Total terá dificuldade em prosseguir com seu projeto Mozambique LNG de US20 mil milhões - e a Eni e a ExxonMobil terão dificuldade em seguir o exemplo com os seus próprios projetos South Coral LNG e Rovuma LNG. Esta é uma ameaça real, visto que a Total teve de suspender os trabalhos e evacuar os trabalhadores do estaleiro em janeiro, após uma série de ataques perto de Palma em dezembro. Na verdade, é importante notar que o ataque a Palma ocorreu logo após o surgimento de relatórios de que a Total estava a preparar-se para trazer os trabalhadores de volta antes do final de março.

Terrorismo e sofrimento humano

Mas a ameaça para Moçambique não é apenas no sector do gás. Não se trata apenas de dinheiro, segurança, poder ou integridade territorial.

É também sobre pessoas. Seres humanos.

O conflito em Cabo Delgado está a destruir a vida das pessoas em grande escala. Mais de 700.000 pessoas já fugiram das suas casas no norte de Moçambique e o número continua a aumentar. De acordo com a agência das Nações Unidas para os refugiados, o ACNUR, o número pode chegar a 1 milhão até o meio do ano se a comunidade internacional não tomar medidas para travar o conflito.

Graças ao apoio e incentivo do Presidente Filipe Nyusi, do seu governo e do governador de Cabo Delgado, eu consegui visitar Cabo Delgado. O Presidente e funcionários moçambicanos asseguraram que a minha delegação tivesse acesso total e sem restrições à região. Mesmo durante os ataques, ainda tinha uma equipa em Cabo Delgado. Eu vi esse sofrimento em primeira mão. Fiz uma visita a um campo de refugiados na região. Falei com pessoas que foram feridas, que viram os seus familiares serem massacrados por guerrilheiros do ASWJ. Conheci crianças, algumas delas com apenas 8 ou 9 anos de idade, que foram atacadas por terroristas.

E essas almas traumatizadas estão a viver em instalações improvisadas e frágeis que são basicamente feitas de folhas!

Estou com o coração partido e indignado. Eu gostaria de dizer que tenho esperança de que as coisas mudem em breve, mas a previsão do ACNUR de um aumento no número de refugiados nos próximos meses não me o permite. (É também preocupante saber que o ACNUR só conseguiu angariar 5% dos 254 milhões de dólares em financiamento que pretendia para o seu trabalho em Moçambique em Novembro passado).

Cabo Delgado precisa de mais do que segurança

Não estou a tentar dar a impressão de que nada está a ser feito por Cabo Delgado e pelo seu povo. Isso não seria justo ou verdadeiro.

No que diz respeito à segurança, Maputo comprometeu-se a trabalhar com a Total para estabelecer uma zona segura em torno do complexo de gás na Península de Afungi. Terá de intensificar os seus esforços nesta frente, visto que o ataque a Palma ocorreu dentro do perímetro da zona designada, mas está a procurar ajuda. Além disso, no início deste mês, o governo de Moçambique convidou conselheiros militares e forças especiais dos EUA para entrarem no país para darem treino em contra-terrorismo. Também aceitou uma oferta de Portugal, seu antigo governante colonial, para dar treino adicional para as forças armadas moçambicanas.

Mas isso não vai ser suficiente.

Embora o governo de Moçambique esteja empenhado em fazer tudo o que estiver ao seu alcance para trazer uma verdadeira paz e estabilidade a Cabo Delgado, precisa de mais apoio do que está actualmente a receber. Precisará do apoio contínuo da comunidade internacional - não apenas em resposta aos ataques mais recentes, mas por um longo período.

Se não conseguir isso, o ASWJ continuará a causar estragos e a forçar as pessoas a abandonarem as suas casas, tornando o terrorismo na maior causa da pobreza em Moçambique. Se não houver ajuda suficiente - e se projetos de grande escala como o Mozambique LNG deixarem de ser uma opção para criar empregos e fazer crescer a economia - o país irá afundar-se ainda mais no desespero. O povo de Cabo Delgado sentir-se-á ainda mais marginalizado. O meio ambiente do país continuará a sofrer danos e não haverá ninguém disponível para ajudar.

Fazer mais - e fazer melhor

Portanto, agora mais do que nunca, temos de encontrar formas de combater o terrorismo em Cabo Delgado.

Tem havido conversas sobre negociações e concessão de amnistia aos membros do ASWJ que desistirem da luta. E, como já mencionei, existem planos para fornecer treino e consultoria às forças armadas de Moçambique.

Mas temos que fazer mais e melhor - não apenas a comunidade internacional, mas todos nós, como indivíduos e líderes empresariais.

Podemos começar por denunciar o mal que vemos em Moçambique. Devemos condenar as agressões e os crimes que estão a ser cometidos pelos terroristas que procuram obter o controlo de Cabo Delgado. Não podemos simplesmente ficar quietos, como se nada de importante estivesse a acontecer ali. Devemos dar ao presidente Nyusi o apoio e o suporte necessários para corrigir isto.

Agora, mais do que nunca, o país precisa do nosso apoio, das nossas vozes e do nosso envolvimento. Deixando para trás as noites de terror e medo, eu me levanto. Com um amanhecer que é maravilhosamente claro, eu me levanto ”. Conclui Maya Angelou. Os trabalhadores do sector energético, Palma, Cabo Delgado e Moçambique irão emergir disto como o sol africano, que nasce todos os dias.

Distribuído pela APO Group em nome de African Energy Chamber.