Fonte: Ministério da Saúde, Angola |

Coronavirus - Angola: Mais uma morte e 62 casos positivos

Angola tem um total de 458 casos positivos, dos quais 319 activos, 117 recuperados e 23 óbitos

LUANDA, Angola, 10 de julho 2020/APO Group/ --

O paciente que faleceu é um angolano de 41 anos, em estado crítico, que recebia cuidados especiais num dos centros de tratamento da COVID-19 em Luanda.

Entre os 62 novos casos positivos, 12 são do sexo feminino e 50 do sexo masculino, com idades compreendidas entre dois e 59 anos.

Alguns foram descobertos durante o rastreio nos centros sentinelas e em mercados, enquanto outros são contactos dos casos positivos, passageiros e efectivos da Polícia Nacional.

Neste momento, Angola tem um total de 458 casos positivos, dos quais 319 activos, 117 recuperados e 23 óbitos.

Os municípios do Talatona, Belas, Viana, Cazenga, Kilamba Kiaxi e o distrito urbano da Ingombota são os mais afectados pelo coronavírus a nível do país.

Nas últimas 24 horas foram testadas 2.875 pessoas, sendo 1.500 no mercado do Kicolo, das quais 87 foram reactivas ao teste, 1.000 no mercado do 30, com 30 amostras reactivas, e 375 na província do Cuanza Norte, com 14 amostras reactivas.

No total, as equipas sanitárias identificaram 131 casos reactivos e os reencaminharam para os centros de quarentena institucional, onde serão submetidos ao teste de biologia molecular com RT-PCR, para a confirmação dos resultados.

De acordo com a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, nesta quinta-feira, 9, em conferência de imprensa, as autoridades vão continuar com a testagem em massa nos mercados e em aglomerados de grande risco, para avaliar o grau de imunidade dos cidadãos e identificar casos positivos.

Nesta sexta-feira, 10, vão ser testados um grupo de efectivos da Polícia Nacional e moradores das ruas 16 até 20 do bairro Mártires do Kifangondo, em Luanda. Ao mesmo tempo prosseguirá o rastreio nos bancos de urgência das unidades hospitalares de referência, incluindo das clínicas privadas.

Sílvia Lutucuta informou que estão a ser enviados os testes da Abott também para as outras províncias, entre as quais a da Huíla onde já foram diagnosticados cinco casos reactivos. Nesto momento, aguardam os resultados dos exames de biologia molecular em processamento.

Para cortar a cadeia de transmissão da COVID-19, a ministra lembrou que passa a ser obrigatória a testagem de todos os cidadãos que pretendam sair da província de Luanda e do município do Cazengo, na província do Cuanza Norte, para outras localidades do país.

Em Luanda, os testes terão lugar na Escola Nacional de Saúde Pública, preparada para testar 200 pessoas por dia, devidamente credenciadas pela Comissão Multisectorial para Prevenção e Combate à COVID-19.

Mais uma vez, os angolanos foram encorajados a cumprir com as medidas individuais e colectivas de combate à COVID-19, como evitar os conglomerados, fazer uso de máscara facial, lavar as mãos com água e sabão com frequência ou usar o álcool gel sempre que for possível, e obedecer ao distanciamento social. "Temos que nos proteger, as nossas famílias e Angola", disse Sílvia Lutucuta.

Distribuído pela APO Group em nome de Ministério da Saúde, Angola.