Fonte: The Embassy of the Republic of Angola in Washington, D.C. |

Angola/ República Centro-Africana: Presidentes abordam estabilidade

O titular da pasta das Relações Exteriores disse à imprensa que a situação na RCA não só tem sido motivo de preocupação para o estadista angolano, fundamentalmente na qualidade de presidente em exercício da Conferência Internacional para Região dos Grandes Lagos (CIRGL), mas também por parte da União Africana e das Nações Unidas

Os dois líderes estiveram reunidos em privado, no Palácio Presidencial, na sequência de uma visita de algumas horas a Angola, efectuada por Faustin Touadéra

WASHINGTON D.C., Estados Unidos da América, 12 de janeiro 2017/APO/ --

A situação de estabilidade e paz interna na República Centro-Africana (RCA) constituiu, nesta quarta-feira, o principal tema de abordagem no encontro privado entre o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e o homólogo deste país, Faustin Archange Touadéra.

Os dois líderes estiveram reunidos em privado, no Palácio Presidencial, na sequência de uma visita de algumas horas a Angola, efectuada por Faustin Touadéra.

Após o término da visita, o ministro das Relações Exteriores, Georges Rebelo Pinto Chikoti, explicou que o Presidente angolano convidou o seu homólogo para troca de impressões sobre essa temática, devido ao seu engajamento na busca de soluções para a conquista da paz neste país da Região dos Grandes Lagos, que viveu antes um conflito armado.

O titular da pasta das Relações Exteriores disse à imprensa que a situação na RCA não só tem sido motivo de preocupação para o estadista angolano, fundamentalmente na qualidade de presidente em exercício da Conferência Internacional para Região dos Grandes Lagos (CIRGL), mas também por parte da União Africana e das Nações Unidas.

No capítulo bilateral, de acordo com Georges Chikoti, os dois presidentes passaram em revista aspectos ligados à cooperação, tendo em vista a sua melhor estruturação.

Ainda no capítulo da cooperação, explicou que existem já acordos rubricados em termos gerais e interesses nas áreas dos diamantes, da diplomacia, a nível da defesa e segurança.

A República Centro-Africana é um país cuja situação política preocupa a Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL), à semelhança da República Democrática do Congo (RDC), do Burundi e Sudão do Sul.

Angola, na pessoa do Chefe de Estado angolano, presidente em exercício da CIRGL, tem prestado ajuda para que este país, que viveu há algum tempo um conflito interno inter-religioso e outros da região ponham fim às divergências políticas ou religiosas de forma pacífica, através do diálogo, invés do recurso à violência.

Esses factores perturbam e retardam o processo de integração e o desenvolvimento da região e do Continente Africano.

Faustin-Archange Touadéra, que esteve em Angola no mês de Outubro do ano passado, em visita oficial, assumiu a presidência da RCA em Fevereiro de 2016, tendo ganho a segunda volta das eleições presidenciais, com 62,71 porcento dos votos, contra os 37,29 dos votos de Anicet-Georges Dologuélé.

A República Centro-Africana é um país localizado no centro da África, limitado a norte pelo Chade, a nordeste pelo Sudão, a leste pelo Sudão do Sul, a sul pela República Democrática do Congo e pela República do Congo, e a oeste pelos Camarões.

A capital do país é a cidade de Bangui.

A maior parte do território da RCA é envolvida por savanas, mas o país também tem uma zona Sahel-sudanesa no norte e uma de floresta equatorial no sul.

Dois terços do país está na bacia do rio Ubangui (que desemboca no rio Congo), enquanto o terço restante está localizado na bacia do Chari, que desemboca no Lago Chade.

Apesar das suas jazidas minerais significativas e outros recursos, tais como reservas de urânio, petróleo, ouro, diamantes, madeira e energia hidroeléctrica, bem como quantidades significativas de terras aráveis, a República Centro-Africana está entre os dez países mais pobres do mundo.

Distribuído pela APO em nome de The Embassy of the Republic of Angola in Washington, D.C..